Ao abrir o dicionário e procurar a palavra “conflito”, é possível encontrar a seguinte definição: falta de entendimento ou oposição entre duas ou mais partes. E, para tentar reverter esse cenário no ambiente profissional, é aí que entra a gestão de conflitos. Afinal, com acesso a tanta informação nos dias atuais, gerando diferentes opiniões entre as pessoas, é comum que essas ideias sejam contrárias em alguns momentos. Mas, com um mediador, é possível resolver situações conflituosas da melhor forma possível. Saiba o que é gestão de conflitos, seus tipos, principais causas de divergências nas empresas e como fazer essa gestão de maneira assertiva.

O que é gestão de conflitos?

O conceito de gestão de conflitos se refere ao conjunto de estratégias e processos que tem como objetivo não só resolver situações conflitantes, mas, também, prevenir. Esse gerenciamento pode ser feito em empresas de todos os portes. No entanto, em organizações com uma grande quantidade de funcionários, ele é ainda mais necessário. Isso porque, nesses casos, o choque de ideias se torna algo muito mais recorrente do que se imagina. Sabemos que conflitos podem ser desmotivadores, tanto para os envolvidos, quanto para as pessoas ao redor. Portanto, a importância da gestão de conflitos é o fato de diminuir o impacto negativo dessas situações e, ainda, possibilitar que se tire algo de produtivo para motivar os colaboradores.

Tipos de conflitos nas organizações

Quando o assunto é conflito, são vários os estudiosos que buscam desvendá-lo. Consequentemente, existem diversas classificações. Confira!

Interno ou externo

Um conflito interno é aquele mais conhecido: adversidades entre pessoas. Muitas vezes, ele não é tão fácil de ser identificado, pois pode não ser aparente frente a todos. Já o externo, acontece em um nível mais macro, envolvendo empresas e governos, por exemplo.

Pessoal, interpessoal ou organizacional

Essas são classificações bastante conhecidas também. O conflito pessoal está associado com as questões internas de um indivíduo, que pode acabar impactando também em sua vida profissional. Por outro lado, enquanto o conflito pessoal diz respeito a apenas um indivíduo e suas questões consigo mesmo, o interpessoal acontece quando há divergência de ideias entre duas ou mais pessoas. Por fim, o conflito organizacional se refere aos problemas no conjunto de processos e dinâmicas em qualquer tipo de organização, inclusive empresas.

Manifestado, percebido ou experienciado

Aqui, os tipos de conflitos são determinados conforme o nível de gravidade. Um conflito manifestado pode ser observado por meio de comportamentos evidentes. Já em um conflito percebido, ou latente, o problema ainda não foi levado à tona por meio de comportamentos ou ações, mas é notado. E o conflito experienciado envolve emoções, como estresse e insatisfação.

Principais causas de conflitos na empresa

O ser humano é muito complexo. Imagine só vários convivendo em um ambiente de trabalho que, naturalmente, já é um local com uma certa exigência e cobrança. Tendo isso em vista, são muitas as possíveis causas de conflitos em uma organização – desde mais simples até mais complexas. Veja as mais frequentes.

Falta de perspectiva de crescimento

Ter seu trabalho reconhecido e ocupar cargos mais altos é algo que todo colaborador almeja, e, por isso, criou-se o plano de carreira. Quando ele percebe a falta de oportunidades nesse sentido, há desmotivação e insatisfação, podendo gerar conflitos.

Mudanças estruturais

Em uma empresa, é comum que haja a reestruturação dos times, por exemplo, criando a necessidade de estabelecer novas relações sociais e de enfrentar novos desafios. Muitas vezes, essa situação pode causar incertezas e estresse.

Divergência de opiniões

Imagine: há um novo projeto importante na empresa e vários funcionários são envolvidos. Várias ideias são trazidas à tona ao mesmo tempo, mas qual ideia será levada adiante? Esta é uma circunstância que também pode causar problemas.

Problemas financeiros

O poder aquisitivo é um dos principais fatores que levam um profissional a procurar e permanecer em um emprego, senão o principal. Uma empresa com escassez de recursos, que oferece remuneração e benefícios incompatíveis com o mercado, pode gerar muita insatisfação.

Comunicação ineficiente

É papel dos gestores saber se comunicar de forma clara. Caso contrário, a equipe pode ficar “no escuro” em relação aos acontecimentos e processos que ocorrem na empresa, contribuindo para que boatos se espalhem. Além disso, a comunicação não-violenta é algo que precisa ser aderido, para que não haja interpretações erradas ou, até mesmo, pouco empáticas.

Situações macro

Existem imprevistos fora do controle da organização, que podem estremecer os resultados e o clima organizacional, como, por exemplo, uma crise financeira em todo o país.

Como fazer gestão de conflitos de forma eficiente?

Saiba como fazer uma gestão de conflitos assertiva em quatro passos básicos!

Tenha um mediador

O mediador deve ser alguém totalmente imparcial – geralmente, do RH. Ele não busca entender suas próprias motivações para aquela situação, porque não está envolvido no problema, mas, sim, buscar entender as diferentes visões dos envolvidos, amenizar os impactos negativos da situação e tirar algo construtivo.

Apure os fatos

Nesta etapa, é necessário investigar a raiz do problema, bem como conversar individualmente com os envolvidos. Muitas reclamações serão expostas e, muitas delas, demonstram necessidades implícitas de cada colaborador que não estão sendo supridas.

Proponha uma resolução

Ao chegar a uma conclusão, está na hora de propor uma solução para o problema. Quanto mais puder chegar a um consenso com todos os envolvidos, melhor. No entanto, é comum ter de abrir mão das exigências de alguém. Nesse caso, deixe-o ciente para evitar mais conflitos.

Monitoramento

Para toda ação existe uma reação, não é mesmo? É necessário acompanhar os desdobramentos, positivos ou negativos, após a resolução do problema. Tenha em mente que lidar com conflitos, certamente, não é uma tarefa fácil. Porém, com dedicação, as consequências podem ser muito satisfatórias. Não perca mais tempo e implemente a gestão de conflitos na empresa!